Desculpa se te chamo de amor...

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

As horas.



Há alguns dias atrás, duas semanas, pra ser mais exata, dei o meu mais sincero sorriso que berrava entre os lábios: consegui. Passei a encarar as coisas racionalmente, deixei tudo que gritava aqui dentro, de lado. Você pensou mesmo que essa sua barba teria efeito comigo todas às quintas-feiras que nos víssemos, né? Ou que todas suas camisas xadrez fariam eu sorrir e pensar que, pra um homem, você até que entende do que está na moda? Ou que, ainda, eu iria da terra para o céu em dois segundos, quando você surgisse na porta, de paletó e gravata? Não, não mesmo. Ou, pelo menos, era o que eu achava. Isso, eu achava. Sabia que minha cabeça não teria condições de controlar meu coração por muito tempo. Durou bastante até, dessa vez. Duas semanas, pra quem a vida inteira foi sempre, coração, coração e coração, é bastante coisa, não?
Tentei aproveitar ao máximo essas duas semanas nas quais meu cérebro dizia, sem muita delicadeza, todos os contras que existem perante você. "Veja bem, ele é mais velho. Não dois, nem cinco anos. Mas, pelas suas contas, ele com total certeza já tinha quebrado alguns corações, enquanto, na mesma época era apresentado à você, um mundo de contos de fadas, príncipes e um grande amor. Mundo que, cá entre nós, você vive até hoje.", ou então: "Vai no espelho. Isso. Agora, pensa nele. Isso. Preciso te dizer mais alguma coisa?". Mas tudo isso, não durou muito. Meu cérebro berrou o quanto pode, tentou me alertar, me trazer de volta pra realidade. Não adiantou. O efeito "cérebro" passou tão rápido quanto veio. Hoje - e sempre - regida pelo coração, voltei ao meu normal. Voltei a lembrar de você sempre, por que qualquer página que eu viro, qualquer placa que eu leio, qualquer canal que eu assista, tem algo com seu nome, sua profissão ou algo que se assemelhe você. Continuo sem descobrir aonde você peca em ser tão deus e, ao mesmo tempo, me passando a nítida impressão de que gostaria de se tornar um reles plebeu. Algum erro há de ter. Continuo contando as horas pra ver você, mesmo sabendo que é algo que não dura nem um minuto, porém, eu levo no mínimo vinte pra me recompor. E, caso você esteja em dúvida, sua barba, suas camisas xadrez e seu paletó e gravata continuam com o mesmo efeito sobre mim.

18 comentários:

  1. Gostei bastante do texto.


    Estou seguindo... Quando puder, me faça uma visita: http://omundosobomeuolhar.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Mas somos gêmeas perdidas!!! Só que meu caso é inverso pq o meu é bemmmm mais novo....
    O que vale é ser feliz!!! Mas Ô cérebro maldito que não cala, né?
    Relaxa e be happy!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Que perfeito.
    Obrigada pela visita linda :*

    ResponderExcluir
  4. Otimo texto

    Beijoss

    http://pensamentosdapoetisa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. As horas, os dias, os momentos vão passando e se não tivermos atentas aos sinais vamos deixar coisas maravilhosas passarem tambem sem pecebermos.

    obrigada pela visitinha, seu blog é lindo!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, mas cérebro ruim... E dái que ele é mais velho? E que é isso de 'olhe no espelho...'? Fala sério! Tem horas que nós somos nosso piores inimigos, parece um vício tornar as coisas mais difíceis, quase impossíveis. É difícil calar a boca dos pensamentos, mas vale viver as coisas sem medo de ser feliz às vesez.

    ResponderExcluir
  7. "Continuo contando as horas pra ver você, mesmo sabendo que é algo que não dura nem um minuto, porém, eu levo no mínimo vinte pra me recompor. "

    Acho que isso acontece todo mundo. Passamos tempos e tempos construindo muros e barreiras com o cérebro e, em questão de instantes, vem o coração e derruba tudo, sem dó.

    =*

    ResponderExcluir
  8. Bom final de semana querida, beijos e mais beijos!

    ResponderExcluir
  9. que bom teu blog.
    Tenha um final de semana feliz.
    Maurizio

    ResponderExcluir
  10. Acho que não é uma ansiedade de todo ruim.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. muito lindo *-*
    Quanto mais contamos as horas, o tempo parece passar mais devagar...
    Correr riscos as vezes é muito bom e pode resultar em coisas inesperadas, rs (:
    beijoos !

    ResponderExcluir
  12. Amor não tem idade. Amei o texto, só não entendi mto bem o motivo do título ser esse. ^^"

    "O efeito "cérebro" passou tão rápido quanto veio" - É sempre assim, néh?

    Obrigada por passar no meu blog, já estou te seguindo e sempre que possível estarei voltando para comentar suas atualizações. Espero ter mais visitas suas na minha caixinha de tudo tbm. ^^'

    http://caixinha-de-tudo.blogspot.com

    ;*

    ResponderExcluir
  13. Adorei o seu texto.
    É incrivelmente triste como as vezes fazemos questão de pôr pedras enormes em nosso próprio caminho... Sentir e expressar o que se sente é tão bom, e mesmo que o nosso cérebro grite para pararmos e agirmos racionalmente, a cada batida de nosso coração sabemos que quando agimos com o coração somos sinceros.
    Beijos flor.

    ResponderExcluir
  14. Homem vestido é mais sexy do que homem nu. Fato.

    Homem mais velho é coisa de Deus, realmente...sempre gostei, sempre! Ui!

    Beijos.

    * Vou acompanhar, tá? ;)

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  15. essas coisas de amor, sentimento em geral, sempre trazem esses insights sentimentais...somos assim.

    http://guilg7.blogspot.com/

    vlw...

    ResponderExcluir
  16. Oi Isabelle, como vai? *-*, passando aqui só pra dizer que deixei um desafio pra ti lá no meu blog, ele é muito legal .. deixarei o link aqui > http://heartdreamer-ap.blogspot.com/2010/11/joguinho-dos-7.html
    Beijos ;*

    ResponderExcluir